AS MENINAS LEVAM ESCOLA MAIS A SÉRIO DO QUE MENINOS

05/03/2015 15:31

Meninas estudam mais horas por semana do que meninos, investem maior parte de suas horas livres em leitura e, hoje, passam mais tempo na escola ao longo da vida. Já os garotos empregam com mais facilidade as fórmulas de matemática na sua realidade e demonstram doses maiores de autoconfiança, mas têm uma relação mais displiscente com a escola.

Todas essas são conclusões de um levantamento feito pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) com dados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA, na sigla em inglês) de 2012. Segundo a pesquisa, no final das contas, meninas têm desempenho melhor. De acordo com os resultados nas provas do programa, 14% dos garotos não atingem o nível básico de aprendizado. Já entre as meninas, o número cai para 9%. No Brasil, o percentual de meninos com baixa pontuação nos testes é de mais de 45%, enquanto o de meninas é menor que 40%.

O Pisa é a maior avaliação internacional de estudantes. Acontece a cada dois anos e envolve 65 países, onde alunos de 15 anos fazem exames que testam suas habilidades em Leitura, Matemática e Ciências. Na edição de 2012, o Brasil ficou em 58º lugar no ranking geral de países analisados.

Nesta quinta-feira, a OCDE divulgou um estudo de gênero dos resultados do Pisa. A análise levou em conta as notas dos estudantes, mas também os questionários de informações pessoais respondidos durante o programa. A leitura desses dados permite entender melhor o rendimento escolar de meninos e meninas.

A pesquisa mostra que as famílias, mesmo tendo um garoto e uma garota com o mesmo nível de conhecimento matemático, incentivam mais os meninos a seguir uma carreira de engenharia, por exemplo. Os números de ingresso nas faculdades confirmam: 14% das mulheres escolhem uma carreira relacionada a exatas contra 39% dos homens. Isto gera, ainda segundo o levantamento, uma falta de confiança das meninas com a matéria. Esta ansiedade com a disciplina pode ser uma das causas para a diferença no desempenho de 34 pontos entre os gêneros, o equivalente a um ano escolar.

De acordo com os dados divulgados nesta quinta, enquanto as meninas conseguem resolver mais facilmente a chamada "matemática pura", que seriam os cálculos e equações já destrinchados, os garotos desenvolvem com mais facilidade a habilidade de empregar a fórmula na realidade.

O levantamento também deixa claro que elas tratam a escola com mais seriedade. Enquanto meninas estudam cerca de cinco horas e meia por semana, os meninos utilizam apenas quatro horas e meia. Em escala histórica, a presença feminina nas salas de aula é cada vez maior. Desde o início do século passado, o tempo de estudo das garotas pulou de cinco para 13 anos. Já entre os meninos, de seis para 11.

O motivo para o lento crescimento dessa curva entre os meninos pode ser a displiscência. Eles são 8% mais propensos a dizer que a escola é um desperdício de tempo. São os que abandonam o banco escolar mais cedo. E utilizam maior parte de seu tempo livre com atividades que não complementam o aprendizado. Enquanto as garotas leem, principalmente, livros de ficção, e adquirem mais habilidades de compreensão textual, os garotos investem maior parte do tempo com videogames e navegando pela internet.

O comportamento displicente no colégio acarreta problemas no futuro. Meninas adquirem certas habilidades em tempo mais curto. Ainda assim, os garotos se acham mais preparados para entrevistas de emprego, por exemplo. Cerca de 43% das garotas afirmaram que não possuem habilidades suficientes para este momento, contra 37% dos garotos.

DIFERENÇA ENTRE GÊNEROS NO BRASIL

A diferença entre meninos e meninas se torna maior em solo nacional quando comparada com a média mundial. O Brasil tem a terceira maior diferença entre os gêneros no Pisa a favor dos meninos: são 22 pontos de vantagem. Xangai, na China, tem 25 pontos e a Colômbia, 31 pontos de desigualdade. No Brasil, a média dos meninos foi de 440 contra 418 das meninas. No outro extremo, os Emirados Árabes têm maior diferença a favor das meninas: 26 pontos.

Os alunos brasileiros passam menos tempo fazendo dever de casa. Os garotos reservam três horas semanais para a prática, já as meninas, três horas e meia. No ranking de repetência, que mostra a porcentagem de alunos que já repetiu pelo menos uma vez, o Brasil é o quarto pior. De acordo com a pesquisa, 32% das meninas já repetiram enquanto 43% dos meninos tiveram que refazer o ano.

por Raphael Kapa - 05/03/2015 - 7:00 / Atualizado 05/03/2015 10:25

Lido em>http://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/meninas-levam-escola-mais-serio-do-que-meninos-15504491#ixzz3TXMt4BtH

Voltar