O QUE SETE MENTES ECONÔMICAS ESTÃO PENSANDO SOBRE O BRASIL DE 2015?

14/01/2015 22:00

O ano de 2014 acabou, mas os problemas que foram evidenciados continuam os mesmos. Ajustes
fiscais, controle de gastos, aperto da política monetária são os desafios mais claros em um cenário de baixo crescimento - e eles devem dar bastante trabalho para a atual equipe econômica. Ao mesmo tempo em que tem de fazer ajustes no curto prazo, o Brasil se depara com questões de longo prazo como o aumento da
produtividade e da mão de obra qualificada para que o país volte a crescer e a aumentar a sua competitividade internacional.

Porém, no atual momento, os olhos seguem voltados para os ajustes necessários, o que tem gerado temores sobre o que será este ano para o Brasil. Em meio a um ambiente complicado - e também "temperado" por fatores internacionais - o queesperar para a economia brasileira em 2015? O Infomoney fez um apanhado das
previsões econômicas de equipes de bancos de investimento e analistas sobre os possíveis cenários. Confira a seguir.

Alexandre Schwartsman, sócio-diretor da Schwartsman & Associados "Acredito que 2015 será um ano
difícil. Será uma combinação nada favorável de crescimento ainda baixo, provavelmente inferior ao de 2014, na casa de 0% a -0.5% (supondo que não haja alteração na série histórica). Já a inflação deve permanecer próxima a 6,5%, com probabilidade significativa de superar esse valor. O desempenho ruim da atividade econômica, além da dinâmica fraca de hoje, deve refletir algum aperto no conjunto da política econômica, com o reaparecimento do superávit primário (hoje há déficit), enquanto o aperto monetário em curso deve produzir a maior parte dos seus efeitos em 2015. A inflação de preços livres deve moderar, mas, no conjunto da obra, preços administrados - há muito defasados - deverão representar parcela relevante da inflação. A moeda deve seguir pressionada pela queda do preço de commodities e fortalecimento global do dólar, mas não espero
uma dinâmica descontrolada. O dólar deve ficar na casa de R$ 2,80 a 2,90 para o final de 2015. A taxa de juros deve fechar dezembro entre 12,5% e 13%. Contas externas devem melhorar muito ligeiramente na esteira de um saldo comercial melhor que o deste ano, refletindo câmbio mais fraco e demanda interna contida.
Nesse contexto, o desempenho do emprego deverá ser tão ruim ou pior que o de 2014 levando a alguma elevação do desemprego para a casa de 6%. Resta saber quanto tempo a presidente aguentará essa sequência de más notícias."

João Ricardo Costa Filho, economista da Pezco Microanalysis "O que sabemos sobre 2015? Será um ano difícil. O crescimento será baixo. Para mim, nulo. A inflação continuará teimosamente alta e a probabilidade de romper o teto de tolerância tem aumentado. A indústria continuará com dificuldades para atender a demanda interna, que continuará robusta, embora estagnada. As importações que vêm suprindo essa diferença de competitividade serão desestimuladas com o aumento da taxa de câmbio. Estimo que o valor de equilíbrio da taxa de câmbio atualmente seja entre R$ 3,00 e 3,10. Todos os fundamentos apontam para a depreciação do real. O que não sabemos sobre o ano que se inicia? Quão difícil será. A equipe econômica propõe um ajuste fiscal da ordem de R$ 100 bilhões. A articulação política será crucial para poder implementá-lo, o que por si só já é um problema, dado que o governo precisará da ajuda daqueles mesmos parlamentares que terão seus pedidos de recursos negados (ou diminuídos). Abrem-se, portanto, dois caminhos: se o ajuste for de
fato implementado, no curto prazo o impacto será contracionista. Esse movimento auxiliará a política monetária, cuja entidade monetária já iniciou um novo ciclo de aumento da taxa de juros, que deve chegar em 12,5% ao ano. Com a diminuição da inflação em 2016 em função dos ajustes em 2015, a economia poderá ganhar tração novamente. É possível, inclusive, que os agentes antecipem esse movimento e tornem 2015 menos pior. Tudo depende da credibilidade do governo que, como sabemos, está abalada. Todavia, se não houver ajuste, os próximos anos trarão uma crise fiscal."

Alberto Ramos, economista e diretor de pesquisas para a América Latina do Goldman Sachs "As perspectivas macroeconômicas e financeiras dos anos de 2015 e 2016 para o Brasil continuam a ser complexas e desafiadoras. O ajuste macroeconômico dos excessos políticos anteriores devem continuar ao longo deste ano. No geral, 2015 provavelmente marcará o quinto período consecutivo de crescimento decepcionante e inflação global acima de 5,5%. Assim, a presidente enfrentará questões macroeconômicas antigas e pode
encontrar novos desafios políticos e sociais. Na área social, a administração será desafiada a adotar políticas que abordem a ampla demanda por mudanças (melhores e mais eficientes serviços públicos). Na frente política, o governo enfrenta o desafio de construir uma maioria que trabalha em um Congresso que agora é mais fragmentado e ideologicamente diverso do que antes da eleição e onde a oposição deve ser mais vocal e combativa. Finalmente, na parte da frente macroeconômica, a administração enfrenta escolhas políticas monetária e fiscal dado o fraco cenário macro de baixo crescimento, inflação elevada e acima da meta, as expectativas de inflação não ancoradas, custos unitários do trabalho não competitivos, a recessão no setor industrial, enfraquecimento dos fundamentos fiscais em conta corrente, a credibilidade da política corroída, além do cenário menos favorável do sentimento dos consumidores e dos sentimentos das empresas. Em última análise, o governo enfrenta o desafio de, através de uma combinação de políticas convencionais disciplinadas e de reformas estruturais, reequilibrar a economia e impulsionar os deprimidos 'espíritos animais'."

Marcelo Kfoury e equipe econômica do Citi Corretora "O ano de 2015 promete ser muito difícil para a
economia brasileira. Além do ambiente doméstico e internacional difícil, Dilma terá de enfrentar as onsequências políticas do escândalo de corrupção na Petrobras. O país tem sido avisado pelas agências de rating que um rebaixamento é possível e, por conseguinte, uma consolidação gradual fiscal se tornou
necessária. Prevemos um superávit primário de 1% do PIB para este ano, o que não é suficiente para estabilizar a relação entre a dívida pública e o PIB. Essa melhoria nos números fiscais será ainda mais difícil dada a nossa revisão em baixa das estimativas de crescimento do PIB para 2015 e 2016 (a 1,8% de 2,8%).
Em relação a inflação, a nossa estimativa é de que ficará acima da meta em 2015, em 6,8%, apesar de nosso cenário de crescimento lento e o esperado aperto da política monetária (Selic em 12% no final do ano em nossa projeção). As condições externas têm alimentado as perspectivas para a queda do real e leva a perspectivas mais limitantes em relação às contas externas."

Carlos Kawall e equipe econômica do Banco Safra "O desempenho da economia brasileira terá como
pano de fundo um processo de crescimento da economia global que será liderado pelos Estados Unidos. Mas o ritmo diferenciado de expansão das principais economias desenvolvidas deverá acarretar o início do processo de elevação do juro básico nos EUA e Reino Unido, enquanto a Zona do Euro, Japão e China poderão adicionar estímulos monetários adicionais - um cenário que favorece a apreciação do dólar norte-americano. O Brasil iniciará o seu ciclo político sob a égide de uma nova equipe econômica, que já anunciou metas para o superávit
primário e dívida bruta do governo geral para os próximos três anos, passo fundamental para recuperar a credibilidade dos agentes econômicos. O ajuste fiscal terá apoio importante na recomposição dos preços administrados, o que nos leva a esperar uma aceleração do IPCA para 7,2%, mas com importante queda
da inflação de preços livres. Com isso, esperamos que a taxa Selic seja elevada para 12,5%. A taxa de câmbio deverá manter sua trajetória de desvalorização, alcançando R$ 2,80 ao final de 2015, contribuindo para uma redução do déficit em transações correntes para 3,5% do PIB. O crescimento do PIB será de 0,3% repetindo o quadro de estagnação de 2014. Mas acreditamos que a recuperação da confiança permitirá um quadro mais favorável para o crescimento, com inflação mais baixa, a partir de 2016."

Nilson Teixeira e equipe econômica do Credit Suisse "A expectativa é de que o PIB tenha pouca expansão em 2015. Esse baixo crescimento é resultado da contração dos investimentos e desaceleração adicional do consumo das famílias. O crescimento mais baixo pode ser adverso e levar a um mercado de trabalho mais atribulado, uma demanda mais fraca da busca de crédito nos bancos e alta das taxas de empréstimos. A expansão do consumo de governo deve desacelerar como ocorre nos anos seguintes
às eleições presidenciais. A contribuição do setor externo será positiva graças ao resultado de uma contração das importações. A expectativa é de um crescimento de 0,5% do PIB em 2015 e de 1,% em 2016."

Equipe econômica da LCA Consultores Associados "O ano de 2014 começou com esperanças de
aceleração do crescimento global, mas acabou marcado pelo desempenho desigual nas principais economias mundiais. O ano de 2015 também se inicia com expectativas de melhora da atividade mundial, mas antigas incertezas - muitas renovadas - continuam a pesar sobre a confiança. Esse fator ameaça um cenário
global mais auspicioso. No Brasil também persistem incertezas em relação à condução da política econômica e à capacidade de reativação da economia - elementos que tendem a manter elevados os riscos de rebaixamento de rating. Nosso cenário base continua a antever: (i) alguma melhora, mesmo que desbalanceada, do crescimento global; e (ii) gradativa (mas irregular) diluição das desconfianças internas. Mas o risco de frustração dessas expectativas alvissareiras continua significativo."

Lido no dia 14/01/2014>http://amanha.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=8256:o-que-sete-mentes-economicas-estao-pensando-sobre-o-brasil-de-2015&catid=34:home-1&Itemid=67


Voltar